14 a 27 de janeiro de 2018

Noticias

Suscribirse a RSSNoticias FEMUSC
3/08/2017

Inscrições para o Femusc 2018 iniciam no dia 10 de agosto

O Femusc (Festival de Música de Santa Catarina) está em contagem regressiva. É que logo serão liberadas as inscrições para a 13ª edição do evento. No próximo ano, cerca de 380 alunos poderão participar das atividades, que incluem aulas com alguns dos mais renomados instrumentistas e professores da atualidade.

Quem quiser se candidatar, deve acessar o site entre os dias 10 de agosto e 10 de setembro, e preencher a ficha de inscrição. Em 2018, serão oferecidos programas de nível intermediário e avançado, além de ópera, canto lírico e quartetos. As turmas abrangem instrumentos de cordas, metais, madeiras e percussão, bem como piano, harpa e violão clássico. Nos grupos de ópera, há vagas para sopranos, tenores, barítonos e baixos e, no canto lírico, ainda são adicionadas à lista vozes de contralto, contratenor e mezzo soprano.

Conforme o diretor artístico Alex Klein, o objetivo é ter ainda mais música, interação e cultura no Femusc de 2018. “Em um período em que as artes no Brasil sofrem com cortes, nós estaremos expandindo”, comenta. Durante duas semanas, o festival realizará 200 concertos abertos ao público. Eles ocorrem de 14 a 27 de janeiro e devem contar com uma plateia composta por cerca de 65 mil espectadores, além de uma média de 70 mil pessoas acompanhando as apresentações de maneira online.

Em 2018, o repertório terá obras como a Sinfonia Alpina, da Richard Strauss, o Requiem, de Wolfgang Amadeus Mozart, as sinfonias nº4, de Johannes Brahms, e n.8, de Antonin Dvorak, e, ainda, a ópera La Bohème, de Giacomo Puccini. Entre os professores, 18 países estarão representados e as chamadas “estrelas” do festival serão Ole Bohn, Per Nyström, Laura Ruiz Ferreres e Catherine Larsen-Maguire. Para conferir a lista completa do corpo docente, basta acessar o site do Femusc.

27/04/2017

Lista de professores para 2018 tem novidades

A próxima edição do Femusc (Festival de Música de Santa Catarina) estará, novamente, repleta de grandes nomes do cenário musical brasileiro e também mundial. Faltando nove meses para o evento, que ocorre em janeiro do ano que vem, a lista de professores já está definida e conta com 40 profissionais, entre instrumentistas, maestros e cantores.

A maioria deles já é conhecida do público e dos alunos do Femusc e retorna após participações anteriores. No entanto, dois deles farão suas estreias no evento, em 2018. O sueco Per Nyström e a espanhola Laura Ruiz Ferreres, ambos conhecidos nos palcos europeus de música de câmara, integram, respectivamente, a lista de mestres das classes de violoncelo e clarinete.

Já entre os veteranos, cinco professores retornam ao evento depois de breves pausas. O contrabaixista romeno Catalin Rotaru, a maestrina inglesa Catherine Larsen-Maguire, o barítono canadense Gino Quilico, o maestro alemão Dietmar Wiedmann e a violista/violinista norte-americana Clara Takarabe são, mais uma vez, presenças garantidas.

Todos os anos, o Femusc também apresenta as “estrelas” do festival. “Esses professores exemplares representam todo o corpo docente ou trazem consigo alguma novidade”, explica o diretor-artístico Alex Klein. Em 2018, o grupo será formado por Ole Bohn, Per Nyström, Laura Ruiz Ferreres e Catherine Larsen-Maguire. Além deles, o título também caberá ao Arianna String Quartet. O Femusc possui o único Programa de Quartetos de Cordas em festivais de música brasileiros. “Por que isso é importante? Porque a música de câmara é a célula máter da música de concerto e os quartetos de cordas são sua mais elevada expressão”, complementa Klein.

Ele também ressalta que, no próximo ano, o evento terá 18 países representados no corpo docente. A pluralidade tem como objetivo manter o equilíbrio entre as influências oferecidas aos alunos. Por isso, o Femusc possui número idêntico de mestres dos Estados Unidos e da União Europeia, apresentando, dessa forma, as especificidades de cada escola, com estratégias, lideranças e nuances diferentes.

Outra preocupação levada em conta na escolha dos professores diz respeito à igualdade de gênero. Segundo o diretor-artístico, a tendência nos próximos anos é o número de mulheres crescer até atingir um equilíbrio que sirva de exemplo para os alunos e alunas. Em 2018, serão nove as representantes femininas na lista.

O corpo docente ainda pode ser dividido a partir das atividades desempenhadas pelos professores. Entre eles, 18 representam grupos sinfônicos fixos e orquestras, como as principais de Berlim, Chicago, Nova Iorque, Los Angeles, Birmingham, Londres e São Paulo. Além disso, oito são solistas e 14 exercem funções em universidades, como as federais de Campinas, Paraíba e Bahia e renomadas instituições de Oregon, Iowa, Missouri e Northwestern, bem como o Conservatório de Sydney.

De acordo com Alex Klein, todos os professores que já estiveram no Femusc confirmaram participação logo após o convite. “Eles responderam rapidamente mostrando o prazer e o sentimento comunitário que sentem pelo festival e pela cidade de Jaraguá do Sul”, comenta.

O Femusc acontece entre os dias 14 e 27 de janeiro de 2018. As inscrições iniciam no mês de agosto. Serão disponibilizadas 300 vagas para alunos de todo o mundo.

CORPO DOCENTE
Direção artística: Alex Klein (Orquestra)

Quarteto residente: Arianna String Quartet
Julia Sakharova, violino
Joanna Mendoza, viola
Kurt Baldwin, violoncelo
John McGrosso, violino

Canto Lírico
Celine Imbert, voz
Ana Hasler, voz
André dos Santos, preparador/Ópera 2
Gino Quilico, Ópera 1

Cordas
Norberto Garcia, violino
Leon Spierer, violino
Richard Roberts, violino
Ole Bohn, violino
Charles Stegeman, violino
Clara Takarabe, violino/viola
Craig Mumm, viola
Richard Young, viola
Emerson Di Biaggi, viola
Eduardo Vassallo, violoncelo
Hans Jensen, violoncelo
Per Nystrom, violoncelo
Catalin Rotaru, contrabaixo
Thibault Delor, contrabaixo

Madeiras
Curt Schroeter, flauta
Gordon Hunt, oboé
Laura Ruiz Ferreres, clarinete
Dilson Florêncio, saxofone
Benjamin Coelho, fagote

Metais
Fernando Dissenha, trompete
Luis Garcia, trompa
Dárcio Gianelli, trombone
Marcos dos Anjos, tuba

Outros
Rita Costanzi, harpa
Eduardo Gianesella, percussão
Fany Solter, piano
Alexandre Dossin, piano
Eduardo Isaac, violão clássico
Mario Ulloa, violão clássico

Regência
Catherine Larsen-Maguire, orquestra
Dietmar Wiedmann, banda
Luis Lenzi, assistência

27/04/2017

Definido o repertório dos projetos especiais de 2018

O repertório dos projetos especiais do Femusc (Festival de Música de Santa Catarina), para a edição de 2018, já está definido. Os grupos, formados pelos alunos do evento, vão executar importantes obras da música de concerto.

A Orquestra sem Maestro e a Orquestra de Cordas, ambas coordenadas pelo ex-spalla da Filarmônica de Berlim, Leon Spierer, apresentarão, respectivamente, a Sinfonia n.8, de Antonin Dvorak, e a Serenata para cordas, de Peter Tchaikovsky. Já o Projeto Serioso, dirigido pelo violista Richard Young, vai tocar o Quarteto n.2, de Béla Bartok, e o Quarteto op. 22, de Paul Hindemith. Por fim, a Orquestra Mozart, que é liderada pelo diretor-artístico do Femusc, Alex Klein, exibirá o famoso Requiem, de Wolfgang Amadeus Mozart.

O evento acontece entre os dias 14 e 27 de janeiro, em Jaraguá do Sul, no Norte Catarinense. A programação da 13ª edição também terá duas récitas da ópera La Bohème, de Giacomo Puccini, além da Sinfonia Alpina, do compositor Richard Strauss, e da Sinfonia n.4, de Johannes Brahms. Em 2017, o Femusc apresentou mais de 200 concertos, todos com acesso gratuito ao público.

6/02/2017

12º Femusc termina com novidades para 2018

Foram dez dias de estudo, de emoção, de compartilhamento e, claro, de muita música. A 12ª edição do Femusc (Festival de Música de Santa Catarina) chegou ao fim, neste sábado, 4, deixando saudade e, mais uma vez, um grande legado para participantes, público e também para a música erudita no Brasil.

Com mais de 400 alunos, 50 professores e 200 concertos gratuitos, o evento, que é o maior festival-escola da América Latina, vem transformando Jaraguá do Sul, o Estado e o país. “Nós não estamos aqui para ensinar música, estamos aqui para mudar vidas”, enfatiza o diretor-artístico Alex Klein.

Nesse quesito, o Femusc é expressivo. Recebendo jovens instrumentistas de 15 países, apenas em 2017, ele envolveu uma plateia de cerca de 57 mil espectadores, além de outros 82 mil nas transmissões ao vivo. “Mesmo com quatro dia a menos, o festival superou o número de 2016. Jaraguá do Sul está se tornando a capital nacional da música”, comenta Hilton José da Veiga Faria, presidente do Instituo Femusc.

Segundo Fenísio Pires Junior, diretor-executivo do evento, o público demonstrou total interesse pela programação, estando presente em todas as atrações. “As pessoas estão discutindo detalhes do repertório das sinfonias e das óperas como um assunto comum do dia a dia”, complementa.

Quando se trata dos alunos, a experiência de ter acesso a instrumentistas renomados no mundo todo também é única. “ Nossos professores são humanistas e isso é fenomenal. Eles olham para os alunos como seres humanos que estão brotando e se transformando em lindas flores”, destaca Klein. Em 12 anos de Femusc, essa oportunidade já foi dada a mais de 6,5 mil participantes.

Nesta edição, o evento teve estudantes de 14 estados brasileiros e de várias nações da América Latina, além da Holanda, dos Estados Unidos, da Austrália e do Reino Unido. Ao lado dos professores, eles se apresentaram em concertos, recitais de música de câmara e, ainda, em palcos externos, como hospitais, empresas e outros municípios do Norte Catarinense.

Para a região, o retorno é incontestável. Além de música, o Femusc gerou 450 empregos diretos e indiretos e garantiu cerca R$ 7 milhões em movimentação econômica. Outra importante contribuição vem de iniciativas voltadas ao público infantil. No Femusckinho e Femusc Jovem, 85 crianças e adolescentes puderam se divertir aprendendo a tocar instrumentos de cordas.

Conforme o presidente do Instituto Femusc, o festival deixa de herança a possibilidade de os jovens encontrarem na música um futuro. “Assim, construímos uma cidade com cidadãos cada vez melhores”, resume.

Novidades
Terminada a 12ª edição, a equipe do Femusc já começa a anunciar novidades para 2018. No próximo ano, o festival acontece entre os dias 14 e 27 de janeiro. As inscrições para as 300 vagas serão liberadas no segundo semestre.

De acordo com Alex Klein, a programação contará com três títulos de ópera com um total de cinco apresentações e quatro mil ingressos disponíveis. “Vamos quadruplicar o número de acessos para a ópera. Essa é a nossa resposta ao público que não pode assistir às nossas duas montagens em 2017”, ressalta.

Paralelamente, o Femusc ainda irá apoiar a produção de uma ópera a ser apresentada na Série Momento Springmann e dirigida por um participante do programa de Canto Lírico. O objetivo é fornecer experiência e instigar os alunos a desenvolver um trabalho cênico lado a lado com as próprias aspirações musicais.Foto Chan

27/01/2017

Tudo sobre as óperas

Organizamos dois guias para você acompanhar todos os detalhes das óperas do 12º FEMUSC: A Flauta Mágica, de Wolfgang Amadeus Mozart, e The Turn of the Screw, de Benjamin Britten.
Conheça o enredo, os personagens, as letras na versão original e com tradução em português. Com este material em mãos, a experiência de assistir a ópera, no teatro ou ao vivo pela internet, será ainda mais fascinante.

Clique aqui, baixe o pdf e embarque na vibração da música:

Femusc Flauta Magica

FEMUSC The Turn of the Screw

27/01/2017

O mundo na vibração da música

Mais de 300 alunos, 40 professores, 200 concertos gratuitos, público de 55 mil, 450 empregos diretos e indiretos, cerca R$ 7 milhões em movimentação econômica. Esse é apenas um resumo do que o Femusc (Festival de Música de Santa Catarina) leva a Jaraguá do Sul, no norte Catarinense, entre os dias 26 de janeiro e 4 de fevereiro.

Considerado o maior festival-escola do Brasil, o evento vem alterando a realidade do Estado, fortalecendo o cenário musical erudito brasileiro e, ainda, dando a oportunidade de aperfeiçoamento a milhares de jovens instrumentistas de todo o mundo. Chegando à 12ª edição, neste ano, ele terá representantes de 20 países, que, juntos, oferecem ao público apresentações com formações únicas.

Na programação do Femusc, ao longo dos próximos dez dias, há grandes concertos, orquestras, música de câmara e também duas óperas completas. Além disso, a agenda conta com apresentações em palcos alternativos, como hospitais, asilo, empresas e cidades vizinhas, e, ainda, uma colônia de férias musical para as crianças.

Programação
Com apresentações diárias, a agenda do Femusc conta com, pelo menos, seis programas diários, que vão dos Grandes Concertos até apresentações específicas de canto, piano, violão e música de câmara. Nos sábados, também estão previstas atrações para as crianças, como o Concertos para as Famílias e o Zoológico Musical.

O repertório da 12ª edição do Femusc terá duas óperas (A Flauta Mágica, de Wolfgang Amadeus Mozart, e The Turn of the Screw, de Benjamin Britten), e, ainda, a Sinfonia nº 2 de Gustav Mahler, e a abertura O Barbeiro de Sevilha, do italiano Giacomo Rossini. No dia 27, para comemorar o aniversário de Mozart, ocorre um concerto especial com obras do compositor austríaco.

Foto: Diego Redel

Foto: Diego Redel

Femusc

Femusc