14 a 27 de janeiro de 2018

Notícias

← Voltar para notíciasNotícia do Femusc
6/02/2017

12º Femusc termina com novidades para 2018

Foram dez dias de estudo, de emoção, de compartilhamento e, claro, de muita música. A 12ª edição do Femusc (Festival de Música de Santa Catarina) chegou ao fim, neste sábado, 4, deixando saudade e, mais uma vez, um grande legado para participantes, público e também para a música erudita no Brasil.

Com mais de 400 alunos, 50 professores e 200 concertos gratuitos, o evento, que é o maior festival-escola da América Latina, vem transformando Jaraguá do Sul, o Estado e o país. “Nós não estamos aqui para ensinar música, estamos aqui para mudar vidas”, enfatiza o diretor-artístico Alex Klein.

Nesse quesito, o Femusc é expressivo. Recebendo jovens instrumentistas de 15 países, apenas em 2017, ele envolveu uma plateia de cerca de 57 mil espectadores, além de outros 82 mil nas transmissões ao vivo. “Mesmo com quatro dia a menos, o festival superou o número de 2016. Jaraguá do Sul está se tornando a capital nacional da música”, comenta Hilton José da Veiga Faria, presidente do Instituo Femusc.

Segundo Fenísio Pires Junior, diretor-executivo do evento, o público demonstrou total interesse pela programação, estando presente em todas as atrações. “As pessoas estão discutindo detalhes do repertório das sinfonias e das óperas como um assunto comum do dia a dia”, complementa.

Quando se trata dos alunos, a experiência de ter acesso a instrumentistas renomados no mundo todo também é única. “ Nossos professores são humanistas e isso é fenomenal. Eles olham para os alunos como seres humanos que estão brotando e se transformando em lindas flores”, destaca Klein. Em 12 anos de Femusc, essa oportunidade já foi dada a mais de 6,5 mil participantes.

Nesta edição, o evento teve estudantes de 14 estados brasileiros e de várias nações da América Latina, além da Holanda, dos Estados Unidos, da Austrália e do Reino Unido. Ao lado dos professores, eles se apresentaram em concertos, recitais de música de câmara e, ainda, em palcos externos, como hospitais, empresas e outros municípios do Norte Catarinense.

Para a região, o retorno é incontestável. Além de música, o Femusc gerou 450 empregos diretos e indiretos e garantiu cerca R$ 7 milhões em movimentação econômica. Outra importante contribuição vem de iniciativas voltadas ao público infantil. No Femusckinho e Femusc Jovem, 85 crianças e adolescentes puderam se divertir aprendendo a tocar instrumentos de cordas.

Conforme o presidente do Instituto Femusc, o festival deixa de herança a possibilidade de os jovens encontrarem na música um futuro. “Assim, construímos uma cidade com cidadãos cada vez melhores”, resume.

Novidades
Terminada a 12ª edição, a equipe do Femusc já começa a anunciar novidades para 2018. No próximo ano, o festival acontece entre os dias 14 e 27 de janeiro. As inscrições para as 300 vagas serão liberadas no segundo semestre.

De acordo com Alex Klein, a programação contará com três títulos de ópera com um total de cinco apresentações e quatro mil ingressos disponíveis. “Vamos quadruplicar o número de acessos para a ópera. Essa é a nossa resposta ao público que não pode assistir às nossas duas montagens em 2017”, ressalta.

Paralelamente, o Femusc ainda irá apoiar a produção de uma ópera a ser apresentada na Série Momento Springmann e dirigida por um participante do programa de Canto Lírico. O objetivo é fornecer experiência e instigar os alunos a desenvolver um trabalho cênico lado a lado com as próprias aspirações musicais.Foto Chan

Femusc

Femusc